sexta-feira, 8 de abril de 2016

SONHO AMEAÇADO - POEMA DE JOÃO COELHO DOS SANTOS

SONHO AMEAÇADO


Quando vê alguém morrer,
Sente que o sonho foi ameaçado
E que maior valor à vida deve dar.
Na bebedeira de orvalhos e brisas
Em palavras frágeis, palavras fáceis,
É altura de fazer novo exame da memória,
Da inteligência, da vontade, do querer.

O poeta habita espaços siderais, 
(digo-o uma vez mais)
Tudo quer e nada o satisfaz.
Seu coração com presságios e súplicas, 
Mentiras, juras e desamores
Atravessa Verões e Invernos
Aguardando sempre Primaveras de flores.

Na penumbra cortada por espadas de luz
Ele aí vai, atarefado, em desatino, com frio destino,
Em reminiscências de fenícios, celtas e árabes
Agora marcado, sem sonhos, ansioso por sonhar
Nos seios abandonados da madrugada.
Embalado em nuvem baça, pesada e densa,
Ora compaixão sente, ora compaixão vê
E vacila, mas não deve…
A estrela treme, mas não cai.


de JOÃO COELHO DOS SANTOS 
Do livro 70 - SETENTA - 70
lançamento dia 23 de junho de 2014 nos
Paços do Concelho de Lisboa




Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...