sábado, 28 de janeiro de 2012

Hino ao silêncio (Bento XVI) - artigo I


Foto ToCortez para o site OLHARES 





Excertos da mensagem para a Jornada Mundial e das Comunicações Sociais  de 2012 (Bento XVI):

Espigão das Ruivas - Foto de TóCortez para o site OLHARES





Silêncio e palavra (são) dois momentos da comunicação que se devem equilibrar, alternar e integrar entre si para se obter o diálogo autêntico e uma união profunda entre as pessoas. 





Foto TóCortez para o site OLHARES



O silêncio é parte integrante da comunicação e, sem ele, não há palavras densas de conteúdo.
No silêncio, escutamo-nos e conhecemo-nos melhor a nós mesmos, nasce e aprofunda-se o pensamento, compreendemos com maior clareza o que queremos dizer ou aquilo que ouvimos do outro, discernimos como exprimir-nos.


Foto TóCortez para o site OLHARES  



Quando palavra e silêncio se excluem mutuamente, a comunicação deteriora-se, porque provoca um certo aturdimento ou, no caso contrário, cria um clima de indiferença; quando, porém se integram reciprocamente, a comunicação ganha valor e significado.











Foto Tó Cortez para site OLHARES 
Calando, permite-se à outra pessoa que
fale e se exprima a si mesma, e permite-nos a nós não ficarmos presos, por falta da adequada confrontação, às nossas palavras e ideias.
Deste modo abre-se um espaço de escuta recíproca e torna-se possível uma relação humana








Foto de TóCortez para os sites OLHARES e REFLEXOS

É no silêncio, por exemplo, que se identificam os momentos mais autênticos da comunicação entre aqueles que se amam: o gesto, a expressão do rosto, o corpo enquanto sinais que manifestam a pessoa.

No silêncio, falam a alegria, as preocupações, o sofrimento, que encontram, precisamente nele, uma forma particularmente intensa de expressão.

 

Continuará no ARTIGO II, no fim de semana.
Continue a visitar este blogue. Voltarei também. A autora Celeste Cortez































































Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...