quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

poeta FERREIRA GULLAR

Imagem relacionada

No dia 4 de Dezembro de 2016, faleceu de pneumonia no Rio de Janeiro, o grande poeta FERREIRA GULLAR, DE 86 ANOS DE IDADE. .

É QUANDO UM HOMEM QUISER - ARY DOS SANTOS

ARY DOS SANTOS – É QUANDO UM HOMEM QUISER

Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e comboios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão




E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher


Autoria e outros dados (tags, etc)

POETA - ARY DOS SANTOS - EM NOME DOS QUE CHORAM

EM NOME DOS QUE CHORAM, 
DE ARY DOS SANTOS  

Em nome dos que choram,
Dos que sofrem,
Dos que acendem na noite o facho da revolta
E que de noite morrem,
Com a esperança nos olhos e arame em volta.
Em nome dos que sonham com palavras
De amor e paz que nunca foram ditas,
Em nome dos que rezam em silêncio
E falam em silêncio
E estendem em silêncio as duas mãos aflitas
Em nome dos que pedem em segredo
A esmola que os humilha e destrói
E devoram as lágrimas e o medo
Quando a fome lhes dói.
Em nome dos que dormem ao relento
Numa cama de chuva com lençóis de vento
O sono da miséria, terrível e profundo.
Em nome dos teus filhos que esqueceste,
Filho de Deus que nunca mais nasceste,

Volta outra vez ao mundo!

sábado, 3 de dezembro de 2016

NATAL - POEMA DE FERNANDO PESSOA











Poema de Natal 

Fernando Pessoa


Natal… Na província neva.
Nos lares aconchegados,
Um sentimento conserva
Os sentimentos passados.


Coração oposto ao mundo,
Como a família é verdade !
Meu pensamento é profundo,
Estou só e sonho saudade.


E como é branca de graça
A paisagem que não sei,
Vista de trás da vidraça
Do lar que nunca terei !

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

HOMENAGEM PÓSTUMA AO COMPOSITOR, MAESTRO, CANTOR - ARLINDO DE CARVALHO

Natural da Soalheira, no Fundão, era familiar do prestigiado advogado Daniel Proença de Carvalho. Foi professor na sua terra natal, no Porto, em Lisboa e ainda na Alemanha e França, onde esteve exilado voluntariamente, e foi Leitor de Português a partir de 1965 no Liceu Henrique IV de Poitiers.
Estudou na Academia de Amadores de Música, de Lisboa. Estreou-se como cantor em Paris em 1966. Participou em programas de rádio e televisão em Paris, Hamburgo, Berlim,Munique.  Paris, HamburgoBerlimMunique e foi convidado por Olof Palme na campanha eleitoral do Partido Social Democrata da Suécia em 1976 e 1979.
          O compositor foi autor de canções ligeiras, de raiz folclórica, de intervenção e fados de Coimbra, nomeadamente Bate o fado trigueirinha, com letra de António Vilar da Costa, Hortelã mourisca, com letra de José Vicente, ou Raminho de Loureiro, com letra de Correia Tavares ou Fadinho Serrano e Tão longe daqui, estes dois títulos com letra de Hernâni Correia.
   As suas composições foram interpretadas por nomes como Cândida Branca FlorLuís Piçarra, Gina Maria, Amália RodriguesTristão da SilvaAntónio MourãoMaria de Fátima BravoMadalena IglésiasMaria de Lourdes ResendeLenita GentilRão KyaoJúlio PereiraTonicha, Guilherme Kjölner, Armando Guerreiro, Carlos Guilherme, Bjorn Ehrling, Richard Winsborough ou Maria do Ceo.
      Em 2011, foi agraciado com a Medalha de Honra da SPA – Sociedade Portuguesa de Autores.[3]
       Morreu aos 86 anos no dia 26 de novembro de 2016 no Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca (AmadoraSintra), na região da Grande Lisboa, vítima de doença subita, tendo sido sepultado na sua terra natal.[4]
(da wikipédia)

Letras à solta: O PÁSSARO QUE POISOU NA NOSSA VARANDA - Calafate ou pardal de Java

Letras à solta: O PÁSSARO QUE POISOU NA NOSSA VARANDA - Calafate ou pardal de Java

sábado, 26 de novembro de 2016

FIDEL CASTRO - 1926-2016 (90 ANOS)


NOTÍCIAS DO TEMPO QUE     PASSA, Celeste Cortez (ESCRITORA DE ROMANCES, POESIA E LITERATURA INFANTIL)      
__________________________________________






          Fidel Castro  faleceu a 26 de Novembro de 2016, com 90 anos de idade. O seu funeral realiza-se no dia 4 de Dezembro. O regime cubano decretou um luto de nove dias.
        Nascido em 1926, foi, quer se queira ou não, conforme a ideologia política de cada um de nós, um  líder símbolo de uma época. Toda a imprensa cubana ficou, desde o seu mandato, sujeita ao regime comunista, não havendo a liberdade que caracteriza a nossa sociedade europeia. Ele acreditou que tinha a verdade sobre a distribuição igualitária dos bens. Lutou pelos seus ideais.
      Fidel Castro deixa marcas na História da Humanidade. A história avaliará – esperemos que sem demagogia – os méritos e deméritos deste homem.
Para além das suas decisões políticas, era, segundo diz quem o conheceu, um homem de vincada personalidade, um homem afável e bem disposto. Muitos o chorarão sentidamente e outros por medo. 
         Para além das suas decisões políticas, era, segundo diz quem o conheceu, um homem de vincada personalidade, um homem afável e bem disposto. Muitos o chorarão sentidamente e outros por medo. 
Pessoalmente não opino neste lugar, estando apenas a comunicar o falecimento e a acrescentar palavras que foram ditas na imprensa, deixando assim ao leitor a possibilidade de expressar a sua opinião, porque cada pessoa  tem esse direito, mas que essa opinião seja manifestada com coerência, tolerância pela opinião dos outros, sem exaltação, com dignidade, com o maior respeito pela opinião do outro. A isso chama-se liberdade.   
        Bom fim-de-semana. Aos que estiverem nos países frios, que recebam um sol benéfico, aos que viverem nos países quentes que tenham a graça de ter uma aragem refrescante. E aos outros, aos que não têm calor nem frio, que continuem com bom tempo.    

                                                  Celeste Cortez 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...