segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

CANTO, MÚSICA & POESIA - I -



CANTO, MÚSICA & POESIA passou, mais uma vez pela Ala - Academia de Letras e Artes de Portugal, no Monte Estoril, Portugal, onde uma sala cheia de poetas, escritores, músicos e espectadores, foi bem esclarecedora de que os sons do canto, da música e da poesia une as pessoas.
Em primeiro lugar, o vice-presidente da direcção da Ala, Dr. Jorge Felner da Costa, em nome da Academia de Letras e Artes de Portugal, deu as boas vindas a todos os que enchiam por completo a sala. 
A académica escritora Celeste Cortez, organizadora do evento cultural, abriu o evento referindo um pensamento do filósofo JACQUES RANCIèRE (1940), que diz que "A improvisão é o exercício através do qual o ser humano se conhece e se confirma na sua natureza de ser razoável, ou seja, de animal que faz palavras, figuras, comparações, para contar o que pensa dos seus semelhantes.”, pelo que ela desejaria, naquele momento, ter capacidade de improvisar para fazer palavras, figuras e comparações, para dizer o que pensa de todos os presentes por força de um nobre ideal: O gosto pelos sons do canto, da música, da poesia. Mas que, mesmo sem essa capacidade, poderia assegurar que nenhum dos presentes poderia dissociar estes três sons que andam juntos desde os primórdios, as três palavras tão sonantes, que reuniram as pessoas neste Canto, Música e Poesia. 

Na apresentação do programa colaboraram também os académicos escritor e poeta Manuel Amendoeira, Drª. Elisa Frugnoli e o poeta, escritor, dramaturgo Dr. João Coelho dos Santos, este também presidente da Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Poetas, associação de que a organizado Celeste Cortez também faz parte. O académico Manuel Amendoeira, numa breve alocução debruçou-se sobre o tema do concurso de poesia "Esta é a ditosa pátria minha amada" e o académico João Coelho dos Santos referiu a imparcialidade do júri no concurso, tendo a Drª. Elisa Frugnoli discursado sobre os poetas concorrentes. 
Os referidos académicos e a coordenado do concurso de Poesia e do Evento, escritora e poeta Celeste Cortez, leram poetas em representação de alguns poetas que não puderam estar presentes.  



Do programa fez parte o professor de música Walter Lopes, que tocou a intervalos regulares música clássica e ligeira, tendo cantado com os acordes musicais o poema de Camões "Verdes são os campos" que o falecido, grande poeta e cantor José Afonso musicou e cantou a seu tempo.









O concurso de Poesia "Camões 1580/2014" foi delineado para académicos da Ala e academias parceiras internacionais, cujos poetas se exprimissem na língua de Camões, tendo concorrido poetas da Sociedade Brasileira de Poetas Aldravianistas; da Alacib-Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil; da Alb - Academia de Letras do Brasil - Seccional de Araraquara, e convidados da Associação Portuguesa de Poetas de Portugal e do Brasil.

 Estiveram presentes alguns poetas vindos propositadamente do Brasil, outros do espaço português. Os poemas melhor classificados, a que foram atribuídos do 1º. ao 9º. prémio, outros menção honrosa, foram lidos, pelos próprios ou por seus representantes ou académicos da Ala, tendo sido intercalados com canto e música. Na classificação do júri houve poemas que obtiveram certificado de participação, por não terem respeitado o tema do Regulamento do Concurso. 






Por estar próxima a quadra festiva do Natal, foi dita poesia referente ao Natal. 







No final da sessão foram entregues os diplomas e menções honrosas e os prémios aos classificados para tal, com o convite de participação num próximo concurso de poesia da Ala.

Seguiu-se um Porto de Honra e convívio.     

     
  

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...