quarta-feira, 28 de maio de 2014

poema de CELESTE CORTEZ : MUANA

MUANA (homenagem às macaiais de Moçambique:
(crianças que tomavam conta de criancinhas) de Moçambique,
Poema de Celeste Cortez
Muana,
pretinha,
de cabelo carapinha,
o menino branco vais embalar
com ele brincando,
praticando de mamã,
teu amor vais dar


Muana
de olhinhos risonhos,
de bata e avental
levando pela mão,
menino loirinho,
para passear

Cuidado muana:
o menino não se pode sujar

Muana
que cresces sem juventude passar
o corpo ondulas ao vento
pensando na aldeia
num batuque ao luar,
histórias inventas para ao menino contar:

Vês, menino,
a lua, seus olhos olhando pr’a nós?
se tu fazes maldades, ela chora,
e as lágrimas caem em cima de nós

O menino esfrega apressado,
as mãos no seu fatinho,
que se quer imaculado

Muana
limpa de repente,
não vá nódoa deixar para alguém notar
por que muana quer ser a melhor das mães
e menino branco continuar a embalar e a amar

Muana
que cresceste sem juventude passar,
o menino branco embalaste
praticando de mamã
teu amor foste dar
o corpo ondulas ao vento
sem pensar em batuques
nem em noites de luar
pensando na aldeia
nos filhos que hás-de criar.

1º.Prémio de Poesia 2010 – da Actis - Universidade
-----------------------------------------------------------

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...