sexta-feira, 19 de abril de 2013

GAP YEAR - ANO SABÁTICO

GAP YEAR - ano sabático  entre o seu último exame no secundário e a entrada para a Universidade.  (com a devida vénia, transcrevo) : 


(foto da net)














Foi um acaso. Chamado a participar numa iniciativa organizada pelo Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal, Gonçalo Azevedo Silva, que estava no 12.º ano, lembrou-se, "porque achava a ideia gira", de falar sobre um tema que estudara no ano anterior, nas aulas de Inglês. No auditório da Fundação Lapa do Lobo (FLL), requisitado para o Encontro da Oralidade, o rapaz discorreu sobre as vantagens do ano sabático, ou, em inglês, gap year - um ano de pausa nas atividades de rotina, neste caso letivas, normalmente entre o ensino secundário e o superior, para viajar, fazer voluntariado e, eventualmente, trabalhar, em ambientes diferentes daqueles em que se nasceu e cresceu.
Não pensou mais no assunto até ao dia em que, umas semanas depois, Carlos Torres, o empresário e presidente da fundação onde decorrera o encontro, lhe telefonou. Estremunhado, ouviu: "Queres passar da teoria à prática?" (publicado pela Fundação Lapa do Lobo).


(foto da net) 
















Palavras dos jovens Gonçalo Azevedo Silva e do seu companheiro Bruno Lourenço:
"Chegou ao fim este Gap Year nas Américas! Durante este ultimo meio ano sonhámos e alcançámos, viajámos pelo continente americano de uma ponta à outra, estivemos em 12 países e vimos coisas que muitas vezes não conseguíamos acreditar, em tão estranhas que eram, ou pela sua beleza inexplicável. Passámos grandes momentos e momentos bastante complicados, estivemos em sítios fantásticos e outros que nem tanto… Contudo, cada pequena coisa que fomos vivendo ao logo destes seis meses fez com que conseguíssemos aprender alguma coisa, mudar a nossa capacidade de resposta aos contratempos e encarar os desafios de outra maneira. Toda esta viajem tornou-nos mais capazes e determinados no que toca ao futuro.
Desde o nosso inicio de luxo em Toronto e a grandiosidade de Nova Iorque e Washington à realidade da Cidade do México… Desde a felicidade das crianças na Guatemala ao grande Natal em Quito.. As fantásticas aventuras na selva peruana e no Machu Picchu, seguidas de um roubo na Bolívia e um grande e compensador Rio de Janeiro. De um Uruguai “calmo”, a um Buenos Aires perigoso e até mesmo um fim com estudantes portugueses em Erasmus no Chile!
Esta foi uma viajem que vai ficar marcada para sempre na nossa memória e não havia como não ficar! Estivemos em países com realidades e níveis de desenvolvimento completamente diferentes, vimos maravilhas criadas pela natureza e pelo homem, fomos professores e alunos (mais este segundo termo), fizemos amigos e grandes amigos, aprendemos com as culturas e demos a conhecer Portugal. Aprendemos que o que para nós é pouco, para alguém, neste caso do outro lado do Oceano, pode ser tudo e que é preciso realmente muito pouco para “arrancar” um sorriso a essa pessoa.
Descobrimos também que o mundo embora não pareça, é pequeno. E a prova disso é a quantidade de portugueses que ao longo da nossa jornada encontrámos e com quem pudemos partilhar histórias e lembrar um pouco as nossas origens.
Mas toda esta viagem e estas aventuras apenas foram possíveis em primeiro de tudo graças ao Dr. Carlos Torres e à Fundação Lapa do Lobo que nos deram toda esta oportunidade de uma vida e a quem agradecemos por tudo!
E também foi graças a todos os amigos e grande amigos, familiares e companheiros de viagens que conseguimos completar todo este percurso, sem eles nada disto seria possível… assim como sem vocês, todos os que nos acompanham por esta página ou pelo facebook desde o início e que nos deram apoio e força, a todos vós os nossos companheiros de viagem, um enorme OBRIGADO.
E assim nos despedimos, foi um prazer enorme viajar convosco durante estes 6 meses e mostrar-vos que há muito para ver por esse mundo fora e que ainda assim é tão pequeno. Até já companheiros !"

Conhecedora da bondade e da disponibilidade do Sr. Dr. Carlos Torres para avaliar um projeto literário e dar-lhe forma através da Fundação Lapa do Lobo felicito os dois moços do concelho de Nelas, vizinho do meu Carregal do Sal e felicito vivamente o Sr. Dr. Carlos Torres e esposa, dirigentes daquela fundação,  por mais esta oportunidade que deram a quem foi capaz de sonhar e elevar-se acima do comum. PARABÉNS.

Como se vê na foto, foi feito um filme pela Fundação Lapa do Lobo que será exibido no Centro Cultural de Carregal do Sal, no dia 27 de Abril, próximo sábado (entrada livre)  e um livro sobre a viagem dos jovens referidos.

Celeste Cortez 

2 comentários:

cecília de mariz disse...

Mto interessante o depoimento do jovem e a oportunidade oferecida pelo Dr. Carlos Torres através da fundação. Parabéns a ambos!

Sami disse...

Que bela oportunidade tiveram estes jovens de viajar e conhecerem novos costumes e gentes. Parabens a Fundacao da Lapa do Lobo e Dr Carlos Torres pela iniciativa.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...