domingo, 20 de maio de 2012

MAR PORTUGUêS... de Fernando Pessoa 

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!


Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.


Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.



AN]ALISE PELA AUTORA DO BLOGUE> Este poema de FERNANDO PESSOA, refere a época Descobrimentos e centra-se na conquista do mar. Refere na primeira estrofe, os sofrimentos passados pelos familiares dos marinheiros que partiram com tanta coragem rumando à aventura marítima.  Diz-nos que as mães, esposas e filhos dos que embarcaram,  choraram copiosamente e as suas lágrimas tornaram o mar salgado. Com um único objetivo "Para que fosses nosso, ó mar" 
No inicio da 2ª. estrofe, o poeta questiona se todo esse sacrifício e sofrimento por parte dos Portugueses teria valido a pena. E ele próprio responde afirmando que sim>  "tudo vale a pena quando a alma não é pequena “ .
A alma pequena. Todas as almas deveriam ser iguais em tamanho! ( Fernando Pessoa quer significar que os Portugueses t|eem uma alma, um espirito sonhador, que se persistirmos n\ao ser]a em vao. Para conseguir atingir o seu objectivo de descobrir o caminho marítimo para a Índia, o povo português teve que se sacrificar, m\aes choraram por seus filhos n\ao terem regressado, filhos que rezaram pelos pais, em v\ao, noivas cujos noivos ficaram no mar. Passar al]em do Bojador, do Cabo das Tormentas, era um   obstáculo quase intransponivel, medonho. No final, ao dizer que foi naquele mar tenebroso que Deus espelhou o ceu > O mar perigoso, a viagem um desafio que venceram chegando à Índia. Valeu o esforço e todo o Mundo ficou ciente da nossa gloria. Esta a recompensa.  

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...