terça-feira, 2 de agosto de 2011

A CRISE


Chegou a crise
veio para ficar
Vende-se o carro
Compra-se o passe
temos de continuar

Esgotaram-se os bilhetes
Vamos de bicicleta
Sempre a pedalar
As rodas furaram
E não há dinheiro
Para outras comprar

Calçam-se os sapatos,
Vamos andando,
Estragam-se os sapatos
Não há mais dinheiro
Para o sapateiro

Caminhemos descalços
Até aguentar
Os pés estão cheios de feridas
Não se pode mais andar!

Ouvem-se gritos ao longe,
Agora mais próximos
O que será?
Um barulho ensurdecedor
Aterrador, gritante
é uma multidão
uma multidão ululante
aproxima-se perigosamente
Impossível fugir
Estamos dentro dela
Temos de aguentar
não podemos sair
Ouvimos alguém perguntar
E a pergunta ficou no ar:
Óh homem,
porque te suicidaste?
porque não esperaste?
A crise vai acabar…

Quando? – perguntou a multidão
A multidão ficou sem resposta.
Como sempre fica sem resposta
a multidão!

Celeste Cortez 17-09-2009

1 comentário:

Sami disse...

Gostei do poema xxxx

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...