terça-feira, 22 de março de 2011

FALECEU ARTUR AGOSTINHO



Artur Fernandes Agostinho nascido a 25 de Dezembro de 1920, faleceu hoje, (22-03-2011, terça-feira) aos 90 anos, no Hospital de Santa Maria, onde foi internado na semana passada.
Foi desde muito novo um jornalista, radialista e um premiado actor português. Um dos maiores comunicadores do século, refere hoje a R.T.P.

Vi Artur Agostinho pela ultima vez no programa em homenagem a Eusébio, e, como simpatizante do clube leonino, achei graça quando disse a Eusébio: o maior desgosto que me deste foi não teres ido para o Sporting.
Segundo o programa Praça da Alegria, Artur Agostinho ajudou a fundar a R.T.P. (RDP).

Da Wikipédia transcrevo: Apresentou o primeiro concurso da televisão portuguesa, o "Quem Sabe, Sabe", e participou em programas como "O Senhor que se Segue", "No Tempo Em Que Você Nasceu" e "Curto-Circuito" e ainda nas séries e telenovelas.

Lembramo-nos de Artur Agostinho, em primeiro lugar como o locutor dos relatos desportivos, que nos chegavam via rádio a Moçambique.

Entrou em diversos filmes: Cais do Sodré (1946), O Leão da Estrela (1947), Capas Negras (1947), Cantiga da Rua (1950), Sonhar é Fácil (1951), O Tarzan do 5.º Esquerdo (1958), Dois Dias no Paraíso (1958), O Testamento do Senhor Napumoceno (1997), A Sombra dos Abutres (1998) e Perfeito Coração (2009).
Foi director do jornal Record de 1964-1974, tendo sido saneado com a revolução dos cravos de 25-4-1974. Foi preso pelo Copcon e esteve na prisão de Caxias, não se tendo provado qualquer ligação sua à Pide.
Depois disso, não desanimou, e apesar da idade, emigrou para o Brasil, onde recomeçou nova vida, regressando a Portugal anos mais tarde.
Recebeu o Prémio Mérito e Excelência, entregue por Francisco Pinto Balsemão, na XV Gala dos Globos de Ouro.Recentemente, a 28 de Dezembro de 2010, 3 dias após ter celebrado o seu 90º. aniversário, num dos dias mais felizes da sua vida como relataram os jornais, ARTUR AGOSTINHO, foi agraciado com a Comenda da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, pelo Senhor Presidente da República.

Apesar dessa alegria, na minha modesta opinião, esta homenagem, como tantas outras, pecam sempre por ser tardias.

Depois do seu regresso do Brasil, fez parte do departamento desportivo da Rádio Renascença, nos anos 80 do Século XX, depois de ter sido um dos mais brilhantes relatores desportivos de sempre aos microfones da Emissora Nacional de Radiodifusão.
Foi proprietário de uma agência de publicidade, a Sonarte, e jornalista. Regressou ao jornal Record, que dirigiu antes do 25 de Abril, agora como colunista e foi também director do Jornal do Sporting. Foi patrono do prémio destinado a premiar o desportista do ano, em 2005.
Escreveu o livro "Português sem Portugal" (1977.Em 2009 lançou o livro "Bela, riquíssima e além disso ...viúva". E um novo romance recentemente "ajuste de contas".
Segundo os seus amigos próximos, Artur Agostinho era um homem que apesar da sua enorme capacidade intelectual, não se vangloriava disso, antes pelo contrário, demonstrava, em frente aos mais simples, uma postura simples.
É mais um homem extraordinário que faz falta na terra. Lamento que nunca lhe tenha feito chegar o romance que publiquei, que é para mim a concretização de um sonho, de muitas horas de trabalho, uma pequenina coroa de glória, mas pelo facto de ter andado anos a poupar para o publicar, não foi possível oferecê-lo a todos quantos estavam na minha lista de preferência e, quase sem dar por isso, esgotou-se. Este meu sonho não se tornou realidade.

Adeus Artur Agostinho. Na nova jornada descanse um pouco a pensar no tanto que fez na Terra, e depois, com o ardor com que se devotou às causas, continue o seu trabalho especial.

Sei que não me recusará este grande prazer: De receber um grande, grande abraço de saudade desta que se subscreve, (como diziam as cartas antigas) Celeste Cortez


Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...